Notícias

14-11-2019 Desprezado por Hollywood, mergulhador lendário do Brasil morre aos 91 anos

Em 1954, o então jovem mergulhador da Marinha do Brasil, Alberto José do Nascimento, foi mandado para um curso de aperfeiçoamento na Marinha dos Estados Unidos com a nata dos mergulhadores americanos.
Entre eles, estava o primeiro negro a ser admitido na elite dos mergulhadores de resgate da US Navy.
Seu nome era Carl Brashear. Mas, pela cor da sua pele, Brashear foi imediatamente segredado pelos demais integrantes da turma – a ponto de ser impedido de frequentar os mesmos ambientes.
Mas houve um companheiro de treinamento que se recusou a maltratar o colega: o brasileiro Alberto José do Nascimento, cuja pele estava igualmente longe de ser tão branca quanto a dos demais americanos.
No entanto, por ser estrangeiro, Alberto foi tolerado, naqueles duros anos nos quais ainda reinava a segregação racial nos Estados Unidos.
Apesar do preconceito explícito e das armadilhas que os demais mergulhadores passaram a preparar para prejudicá-lo (numa delas, o obrigaram a passar nove horas debaixo d´água, tateando o fundo do mar em busca de peças que eles haviam propositalmente espalhados e que precisavam ser montadas, no teste final de aprovação do curso), Carl Brashear tornou-se o primeiro aluno da turma e acabaria se transformando em um mito entre mergulhadores do mundo inteiro.
Sua história de superação foi tão incrível que virou até filme de Hollywood, sob o título "Homens de Honra", com Robert De Niro, lançado em 2000, e que foi um grande sucesso, inclusive no Brasil. Sua história foi contada no canal do You Tube "Vamos falar de História?". E foi justamente neste filme que, de novo, se manifestou o preconceito – só que, agora, contra o mergulhador brasileiro. Na cena mais icônica do filme, logo no começo, quando todos os integrantes da turma se retiram do dormitório por ser recusarem a "dormir sob o mesmo teto de um negro", apenas um mergulhador permaneceu no recinto. Era o brasileiro Alberto, que, por essas e outras, acabaria se tornando um grande amigo de Carl Brashear – no filme, interpretado pelo ator Cuba Gooding Jr.
Mas, no filme, a figura do brasileiro, o único a demonstrar apoio ao colega, foi substituída pela de um fictício mergulhador americano gago, que jamais existiu naquela turma.
"Até porque um gago jamais seria aceito na elite da US Navy, que exigia mergulhadores fisicamente cem por cento perfeitos", disse, por ocasião do lançamento do filme, o brasileiro Alberto, apenas ligeiramente magoado por ter sido ignorado na história.
Alberto não ficou indignado nem com a sua exclusão, e substituição por outro fictício mergulhador americano, em outra cena marcante do filme, quando Carl Brashear, com a ajuda de um companheiro (que, na vida real, foi o brasileiro), salvou um colega que ficara preso no fundo do mar.
Ao final do curso, o brasileiro foi aprovado com louvor, o mesmo acontecendo com o Brashear, que, daí em diante, só fez crescer na hierarquia da Marinha Americana, chegando, anos depois, a comandante, o que explica a razão do filme.
Já o brasileiro Alberto, após incontáveis operações de resgates em águas brasileiras, nas quais salvou muitas vidas, apenas se aposentou da Marinha do Brasil e foi viver pacatamente no Rio Grande do Norte, seu estado de origem.
E foi lá que ele morreu, no último domingo (10), aos 91 anos, cercado pela admiração de mergulhadores do Brasil inteiro, para quem, embora totalmente ignorado pelo filme, Alberto José do Nascimento nunca deixou de ser o "Nosso Homem de Honra".

Voltar
Deixe Seu Comentário