Notícias

13-03-2019 Chuvas podem atrapalhar colheita no Sul do país

O clima volta a preocupar os produtores de soja de duas regiões do país. Em época de colheita, as chuvas podem atrapalhar o processo na parte Sul do país. Os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná podem ser os principais prejudicados. As informações são do Instituto de Nacional de Metereologia (INMET).

“Realmente, durou pouco tempo a trégua das chuvas no Sul do Brasil. Um sistema de baixa pressão atmosférica está presente nessa região e tem potencial para causar tempestades e chuvas muito intensas. Essas condições podem impactar a finalização da colheita por lá, onde os trabalhos de campo ainda estão em fase de conclusão. Segundo o INMET, não há só a possibilidade de estragos em plantações, mas também risco de corte de energia elétrica, quedas de árvores e alagamentos. O INMET alerta para tempestades na maior parte do Rio Grande do Sul, com chuvas de 30 a 60 milímetros por hora, ou algo entre 50 e 100 milímetros por dia. Os ventos devem ser intensos e deve haver queda de granizo. Alerta de chuvas para Santa Catarina e Paraná, porém em intensidade mais fraca.”

Ainda sobre a produção agrícola.

Produtores de soja têm motivos para comemorar nesse início de ano. Segundo a Secretaria de Comércio Exterior, houve recorde na exportação do grão. Ainda de acordo com os dados da pasta, o principal destino dessa soja foi a China, que segue sem fechar um acordo comercial com Estados Unidos.

“Por mais um mês, em fevereiro, as exportações brasileiras de soja bateram recorde, chegando a 6,91 milhões do toneladas, esse é o número da Secretaria de Comércio Exterior. O volume é bem maior que o de fevereiro do ano passado, quando o Brasil exportou pouco mais de 3,5 milhões de toneladas de soja e em todo o complexo dessa cultura as exportações já passam de 10,5 milhões de toneladas. Os compradores chineses estão comprando em ritmo mais lento, porque a demanda deles está mais lenta no momento por uma série de fatores. Entre eles, a peste suína africana que está castigando os plantéis de suínos chineses. O pouco que a China está comprando, ainda está comprando aqui no Brasil. Das mais de 6 milhões de toneladas exportadas em fevereiro, 82,4%, o que dá cerca de 5 milhões de toneladas, foi destinado à China.”

Fonte: JBJ-News
Voltar
Deixe Seu Comentário